Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Os Felícios! #12

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Episódio 6

Episódio 7

Episódio 8

Episódio 9

Episódio 10

Episódio 11

Eram três e vinte e cinco da madrugada quando um grito soou em toda a casa. Bom na casa, no prédio e nos edifícios contíguos. Houve quem afirmasse que o senhor Cassildo, um brasileiro bem pachola que vivia duas ruas abaixo, também ouvira o grito.

Felícia levanta-se de um salto ao escutar o berro da filha e corre para o quarto. Entra sem bater e encontra Maria Felícia já sentada na cama com as pernas em vê e uma mancha de água que se alastrava lentamente pelos lençóis.

- Está na hora, filha – disse para a rapariga. Depois dirigiu-se ao guarda-fato e retirou de lá um enorme saco que havia preparado para aquele momento.

À entrada do quarto surgiu também Felício que estremunhado perguntava:

- Que se passa? É preciso alguma coisa?

- A tua filha está pronta para dar à luz. Se queres ser útil arranja-me um táxi.

- Táxi a esta hora? Onde vou arranjar um agora?

Felícia responde em tom áspero:

- Que tal o teu? Achas que consegues chegar ao hospital?

O futuro avô dá uma palmada na testa e devolve:

- Tens razão. Vou já buscá-lo.

Antes de sair avisou:

- Quando estiver à porta toco a campainha.

- Tocas nada homem! Acordas toda a gente… Sabes que horas são… Bem bastou já o grito estridente que a tua filha deu. Eu vou descendo com ela devagar. Dará tempo.

Já no carro e quiçá por defeito de profissão, Felício pergunta:

- Para que hospital vamos?

- O que for mais perto… isso pergunta-se?

Todavia o primeiro hospital não aceitou a parturiente por não ter essa especialidade e de lá correram para outro que aceitaram a futura mãe. Nas urgências o médico de serviço perguntou de forma inocente à futura avó:

- O pai da criança?

Encavacada com a questão Felícia acabou por responder, mentindo:

- Está... está em viagem… mas eu fico com ela!

- Não é preciso! Está bem entregue. Vá para casa qu’isto pode demorar. Depois diremos alguma coisa.

- Eu fico aqui à espera.

- Olhe que pode demorar… - insistiu no aviso, o médico.

- Não importa… - naquele momento a porta automática fechou-se à sua frente e a filha desapareceu noutro mundo.

Sentou-se na sala de espera onde já estava Felício dormitando e deu-lhe a mão nervosa. Depois olhou-o e sorriu.

- Vamos ser avós, já viste?

- E de um catraio… - assumiu o táxista.

- Lá estás tu com essa teimosia… Que coisa a tua…

O tempo passou devagar. Encostados um ao outro os velhos Felícios dormitavam quando escutaram:

- Acompanhante de Maria Felícia…

A avó acorda assarapantada, mas levanta-se num ápice e dirige-se à pessoa que a chamara:

- Estou aqui… há novidades, senhor Doutor?

- Há sim! E boas!

- Ai Deus Nosso Senhor me ajude… e a ela também – agradeceu Felícia enquanto se persignava.

- Olhe que bem precisam…

- Ai… mas porque diz isso?

- Porque tem ali dois netos fantásticos. Ou melhor um neto e uma neta!

Felício que se aproximara abraçou a mulher e escutando as derradeiras palavras afirmou vaidoso:

- Eu não disse… amanhã vou preencher a proposta de sócio do Feliciano.

- Então e a Felicidade Maria?

- Vai ser sócia também!

Nesse momento entrou Mário Felício na sala de espera com ar esbaforido e vendo os pais, já nem usa o uotessape e questiona:

- Há novidades, há novidades?

Responde o agora avô:

- És um bi tio!

- Sou o quê?

Avança a mãe:

- A tua irmã teve gêmeos!

- Dois?

- Sim dois... E já chegam, não? - devolve Felícia!

- Então já sei quem é o pai das crianças...

- Quem é, quem é? - Perguntam em uníssono os pais.

- O Cabé que tem uma irmã gêmea... - naquele preciso instante a voz de Mário Felício foi perdendo fulgor, para finalmente acrescentar - que é a minha namorada e também está grávida.

- Ai... - suspira a mãe arregalando os olhos para o marido.

Felício no alto do seu clubismo afirma todo contente:

- Amanhã já vou buscar quatro propostas para sócios.

 

FIM

Os Felícios! #11

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Episódio 6

Episódio 7

Episódio 8

Episódio 9

Episódio 10

A certeza do aumento da família, cada vez mais visível no ventre arredondado de Maria Felícia, transformou totalmente o ambiente caseiro dos Felícios.

De lado ficaram definitivamente os telemóveis e o respectivo uotessape. Apenas Mário Felício ainda o usou durante umas semanas numa tentativa de falar com alguém de casa, mas como não obteve qualquer resposta acabou por desistir. Também se tornou curiosa a sua relação com a irmã, tantas vezes comparsa de festas e saídas nocturnas e agora sentia-a como ela fosse… uma estranha.

Na verdade Mário Felício não sabia ou não queria saber da gravidez da irmã e fazia todos os possíveis para se desencontrar dela.

Ao invés, o futuro avô Felício parecia andar nas nuvens. Na praça onde normalmente costumava parar o táxi pela manhã, já todos sabiam da novidade natalícia. Alguns ousavam chegar mais longe através de brincadeiras parvas e dichotes a que Felício respondia, por vezes a rir e outras com maus modos. Apostava todavia que a futura criança seria um rapaz e às dúvidas apresentadas pelos seus colegas, respondia invariavelmente:

- Lá em casa quem mando sou eu. Se digo que vai ser um rapaz… é um rapaz, mai'nada! Assim que ele nascer faço-o logo sócio do meu clube…

Houve mesmo quem lançasse uma ideia entre o machismo e o imbecil:

- E se for uma cachopa Felício? Também a fazes sócia do teu clube?

Resposta pronta:

- Obviamente! Antes do meu que do teu…

Entretanto Felícia aceitara mais uns trabalhitos de forma a “apouchar” mais uns euros para poder comprar coisas para a criança. Havia muito tempo que a roupa pequena dos filhos fora entregue a uma prima, mãe de uma ranchada de catraios.

Com o dinheiro ganho já comprara um berço, um marsúpio, um fraldário, uma banheira e algumas roupas. Todavia a filha parecia ainda não estar ainda bem consciente do seu estado e daí gastar mais dinheiro em vestimentas para esconder a gravidez do que em utilidades para a futura criança.

Certa noite, à mesa, a mãe sente que tem de fazer uma pergunta à filha. Teme, todavia, a sua reacção já que Maria Felícia tem um feitio… meio esturrado! Respira fundo e finalmente propõe-se a questionar:

- Filha, posso saber uma coisa?

A futura parturiente rabisca qualquer coisa num guardanapo usado com um lápis que apanhou algures e responde quase por instinto:

- Diz lá mãe…

Um silêncio entrou na cozinha de odores vários e finalmente:

- Quem é o pai dessa criança?

Maria Felícia ergue-se devagar da desengonçada cadeira e dirige-se em passo lento para o corredor parecendo fugir a dar uma resposta. Por fim devolve:

- Nem eu sei… mãe. Aquela noite foi… absolutamente inesquecível! Como podes ver - e apontou para o ventre dilatado.

A mãe leva a mão à boca estupefacta com a resposta e desabafa:

- Santo Deus… que família mais destrambelhada esta!

Desgarrada de Carnaval!

Vamos brincar Carnaval

Lançam os foliões.

Que ninguém leva a mal

Nem ricos nem pobretões.

 

Prefiro estar longe

Da malta brincalhona.

Antes eremita ou monge,

Que ouvir uma sanfona.

 

Não ouso negar não

As máscaras dif’rentes.

As de Veneza então

São belas, valentes.

 

Fica assim lançado

Mais este desafio

Nem cantiga nem fado

Talvez um assobio.

 

Nota:

quem quiser participar pode fazê-lo com uma ou mais quadras através de um comentário neste blogue, através do seu próprio blogue (se o tiver) com referência a este desafio ou enviar mail para josedaxa@sapo.pt. Tanto nos comentários como por mail ou nos blogues eu acabarei por juntar aqui a(s) quadra(s). Assim ficará mais visível. Vamos lá então escrever!

 

Respostas:

Beatriz Costa

O José desafia e o pessoal não quer falhar
Ele é um craque com as palavras, mas eu também vou tentar
De palhaços está o mundo cheio, dizem as bocas das gentes
Eu cá acho que o mundo está cheio de charlatões que não sabem estar contentes

A minha resposta

Desafiar não dói

Quem o diz, muito sabe.

Não quero ser herói

Rir antes que desabe.

Os Felícios! #10

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Episódio 6

Episódio 7

Episódio 8

Episódio 9

O ambiente em casa da família Felício não era o melhor, principalmente desde as festas natalícias onde ninguém recebeu o que gostaria de ter recebido.

De tal forma as coisas estavam desconfiguradas que as refeições faziam-se sempre aos pares. Primeiro pai e mãe e mais tarde os filhos. O grupo de uotessape que havia sido criado deixou de ter actividade.

Na véspera do Ano Novo, Maria Felícia e Mário Felício saíram de casa sem sequer se despedirem dos pais. O pai ficou tão furibundo que nunca mais falou aos filhos.

É neste mundo azedo que vamos reencontrar a família Felício com o pai a chegar agora mais tarde porque os tais “uberes” faziam grande concorrência aos taxistas originando que os clientes fossem muito menos. Valiam, ainda assim, algumas avenças previamente contratadas …

Felícia passou a lavar as escadas do prédio abichando com isso algum dinheiro que ajudava nas contas. Entretanto os filhos continuavam a viver lá em casa, mas sem qualquer compromisso financeiro… E como estava tudo de “telhas às avessas” também a roupa dos jovens deixou de ser lavada e passada a ferro. Amontoava-se à porta dos quartos.

Resumindo naquela casa a confusão era generalizada!

Certa noite Felícia escreveu para o marido:

- O jantar está na mesa!

- Vou já, vou só lavar as mãos!

Durante a refeição só se escutava os talheres a bater nos pratos. Mas há muito que era assim… Todavia o peso da ausência dos filhos tornava aquele momento ainda mais triste. Foi a mulher que munindo-se da maior coragem que tinha, tocou no braço do marido, chamando-o à atenção, dizendo:

- Temos de acabar com isto – e apontou para o telemóvel.

- Porquê?

- Porque somos pessoas e não máquinas…

O marido nada disse. Para depois acrescentar:

- E eles? – e fez um jeito com a cabeça apontando para dentro de casa referindo-se aos filhos.

- Eles? Façam o que quiserem. São maiores e vacinados!

Novo estranho silêncio. Entretanto a porta de entrada abriu-se. Felícia olhou o relógio de parede a pilhas, de origem chinesa e estranhou a chegada de qualquer dos filhos àquela hora.

No momento seguinte apareceu na cozinha Maria Felícia com uma cara que parecia ter sido atropelada. Olheiras enormes onde se percebia a maquilhagem toda esborratada, o cabelo desgrenhado e as mãos numa tremedeira parecida a quem sofre de “delirium tremens”.
Admirados com aquele aspecto físico e psicológico os pais levantaram-se rapidamente da mesa e chegando perto da filha perguntaram de viva voz:

- O que passa Maria Felícia?

A jovem sentou-se devagar na cadeira, mas não respondeu. Escondeu a face suja entre as mãos e desatou a chorar.

A mãe foi buscar um copo com água e deu-lhe a beber. Finalmente sentou-se a seu lado e voltou a questionar:

- O que se passa contigo?

A filha ergueu o olhar para a mãe e respondeu:

- Há um novo Felício a caminho!

Primeiro o choque depois a alegria:

- Que bom, querida. Estamos mais ricos…

- Pois dizes tu… - devolveu a filha.

Depois rematou:

- Que telemóvel vou dar eu à criança? Não sei o que fazer!

Os Felícios! #9

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Episódio 6

Episódio 7

Episódio 8

O Natal aproximava-se à velocidade de uma bota de sete léguas como rezava a antiga estória de Perrault!  Por isso Mário Felício e Maria Felícia andavam numa fona desde o início do mês de Dezembro com óbvias referências ao que gostariam de ter no Natal próximo.

De vez em quando a menina mais nova escrevia no uotessape: Desculpem algum erro, mas este aparelho já deu o que tinha para dar... Tenho de ver se arranjo outro nem que seja em segunda mão (Maria Felícia sabia do pânico que a mãe tinha em comprar coisas em segunda mão!).

Mário Felício pelo seu lado era mais subtil e respondia assim à irmã: Não sejas idiota... esse telemóvel terá pr'aí um ano. Se tivesse uma consola para jogos com cinco anos... ainda terias razão.
Entretanto Felício e Felícia faziam-se de surdos e cegos não dando qualquer seguimento às conversas dos filhos.

Na verdade pagavam da mesma moeda que os infantes haviam entregue aos pais aquando da campanha da azeitona, de má memória.

O Natal chegou enfim com a costumada alegria da época. Alguns acepipes na mesa, uma garrafa de tinto daquele especial que Maria Felícia trouxera do supermercado onde havia semanas era caixeira e uma lampreia de ovos, o doce preferido do chefe do clã.

A família Felício não fugiu à ancestral tradição e logo pela manhã a troupe juntou-se de volta da árvore de Natal pouco iluminada. No chão ao redor sapatos velhos, mal cheirosos e uns embrulhos.

Mário foi o primeiro a pegar na prenda que encontrou sob o seu sapato rôto. No entanto achou estranho que não fosse uma caixa maior, mas imaginou alguma brincadeira familiar.

Rasgou o papel colorido e logo percebeu que não teria o que imaginara. Ao invés desembrulhou um belíssimo cachecol de malha do Clube Desportivo e Cultural de Alguidares de Baixo.

Uma fúria nasceu dentro de si justamente quando a mana viu a sua prenda e ria a bom rir.

Mas quando Maria foi abrir a sua e descobriu que em vez de um novo telemóvel (como quase pedira!) recebera um conjunto de costura, rapidamente perdeu o sorriso para enorme gáudio do irmão. 

No mesmo instante ambos olharam o casal de pais. Estes riam apenas.

Depois o Felício escreveu:

- Feliz Natal. Bonitas prendas, hem!

Logo veio a resposta. Mário primeiro:

- Tens cá uma graça!

Seguiu-se Maria:

- Sim, muito bonita a minha prenda. Tal qual a tua cara.

Entretanto Felícia abre a sua prenda e encontra um avental todo giraço!

Mas para o pai estaria guardado o melhor naco de fantasia. Aberto o embrulho o táxista encontra uma capa para o seu telemóvel.

- Boa malha! - escreve no uotessape.

Depois abre o involucro e constata que este tem o símbolo do clube que Felicio detesta.

Recua dois passos, deixa cair todo o corpo no velho sofá enquanto diz em tom furibundo:

- Que gentinha velhaca!

Os Felícios! #8

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Episódio 6

Episódio 7

Felício carregou sozinho um conjunto de mantas para o chão onde se erguiam as três oliveiras que lhe haviam calhado por herança. Olhou-as e percebeu que para aquelas só o céu parecia ser o limite, tal a altura que haviam ganho. Pudera... mais de 40 anos sem verem os dentes de um serrote...

Suspirou fundo e logo ali se arrependeu da aventura em que se metera. Todavia não havia a fazer a não ser… dar conta daquele recado.

A manhã acordara fria em Alguidares-de-Baixo. Um local aprazível para quem gosta de campo… Só que ele sempre fora um homem da cidade, ainda por cima taxista!

A família ficara a dormir na pensão! Fora assim um primo que lhe indicara as três gigantescas oliveiras e que lhe emprestara as mantas malcheirosas e mais uma enormíssima escada de madeira!

Explicou-lhe também para que serviriam os panos e como os estender! Sozinho e desanimado Felício pegou no telemóvel foi ao nosso conhecido uotessape e digitou:

- Quem está acordado?

Ninguém lhe respondeu. Logo ali tomou consciência de que aquela bravata seria apenas sua! Voltou a casa do primo para buscar o que faltava e que era "apenas" a escada que o ajudaria a chegar ao cimo da oliveira.

A verdade é que a chuva, que naquela manhã estava desaparecida, fora intensa nos últimos dias, Deste modo quando Felício tentou pegar na dita escada, esta parecia pesar… toneladas! Era uma daquelas de madeira de castanho de 22 degraus e que tendo estado na rua inchara com a chuva, ganhando também muito peso. Encostada que estava a uma parede, Felício ousou pegar-lhe mas aquilo era que nem chumbo. Desceu-a devagar até ficar ao nível do chão. Finalmente tentou mais uma vez, mas aquilo parecia peso a mais para o seu gordo corpanzil, pouco habituado a esforços.

De repente sentiu o telemóvel a tremer, sinal de que alguém lhe respondera. Foi ler:

- Queres ajuda? – perguntou Felícia.

- Claro! E podes chamar a malta mais nova, faxavor! Isto é trabalho para todos.

- Não contes com eles. Estão a dormir e só se devem levantar lá para a hora do almoço!

Nem respondeu. Foi encontrar-se com as oliveiras carregando com muito esforço a escada enorme e pesada. No chão herdado principiou a ajeitar os panais em redor da árvore de forma a que estes recebessem a azeitona caída. Feito isto faltava arrumar a escada de castanho à oliveira. Uma acção que requeria cuidado e perícia.

Ergueu aqueles degraus de madeira e encostou-os à árvore. Finalmente e após alguns jeitos exclamou:

- Bué da segura!

Com a coragem que não tinha pisou os primeiros degraus e foi escalando, escalando, escalando até que chegou ao cimo. Só que a oliveira era ainda mais crescida. Lembrou-se do serrote que não trouxera e principiou a descer para o ir buscar.

De súbito um dos pés escorregou na travessa molhada e Felício desequilibrou-se. Desesperadamente tentou agarrar-se aos ramos, mas estes também não aguentaram o seu peso.

Tudo se passou nuns brevíssimos segundos já que quando deu por si estava de cabeça para baixo e um dos pés miraculosamente entalado entre dois degraus.

Naquele instante sentiu o telemóvel no bolso, pegou nele e ligou para a mulher. Esta admirada com a chamada do marido, atendeu. Felício só soube então gritar:

- SOCORRO!

Os Felícios! #7

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Episódio 6

Aquando da visita no Verão à aldeia, Felício pareceu deveras entusiasmado com a eventualidade de no Outono seguinte poder ir apanhar azeitona.

Mas tal entusiasmo não era seguido pela restante família, demasiado habituada a não fazer “a-ponta-de-um-corno”. Todavia desde que o chefe do clã cismara na ideia na colheita o ambiente tornara-se mais pesado.

Certa noite durante o jantar Felício envia a pergunta via uotessape:

- Com’é que é pessoal, já marcaram férias para irmos à azeitona?

Ninguém respondeu para profunda tristeza do taxista! Logo voltaria a insistir, pensou.

O tempo passou rápido e o Outono surgiu, nesse ano, chuvoso e frio. Portanto nada convidativo a actividades fora de casa!

A duas semanas de partir para a aldeia de Alguidares-de-baixo Felício insistiu com a pergunta. A resposta foi a mesma da anterior o que equivale dizer… nenhuma!

Furibundo pela ausência de qualquer dica, o homem da casa (assim se referia a mulher Felícia na peixaria da Dona Etelvina!) decidiu partir sem dizer nada.

Naquele sábado levantou-se cedo da casa, arrumou umas parcas roupas e dirigiu-se a Sete Rios em busca de um expresso. Percebeu que não havia transporte directo mas para a vila próxima e ei-lo sentado no lugar quase ao lado do condutor. Durante toda a viagem falou com o motorista (sem ser por uotessape!) quase originando dois acidentes devido às diferenças clubísticas.

Assim que chegou à vila procurou u colega taxista e partiu para a sua aldeia. Aqui chegado foi em busca do familiar que lhe comunicara da primeira vez que o próprio Felício herdara um naco de terra com três oliveiras.

Perdeu-se diversas vezes por entre ruas e casas de pedra até que desistiu e sentou-se na única esplanada que encontrara no povoado.

Por fim alguém surgiu também na esplanada e após um brevíssimo diálogo percebeu qye a casa do parente era perto dali. Pegou na sacola e finalmente encontrou a casa. Bateu à porta mas esta entreabriu-se.

Pensou que fosse normal e entrou. Lá dentro estava muito escuro e tentou tactear em busca de um interruptor, não o conseguindo.

Para no momento seguinte a sala toda se iluminar e Felício ver a Felícia, a Maria Felícia e o Mário Felício.

Ficou tão irritado que esteve para os excluir do grupo de uotessape!

Os Felícios! #6

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Episódio 5

Maria Felícia entra em casa toda despachada e dirigi-se para o quarto. A mãe Felícia giranda pela cozinha numa costumada azáfama a preparar o jantar.

Felício há muito que está em casa. Um tipo amarrotara-lhe o táxi com vontade e agora seriam uns dias sem fazer "a ponta d'um corno" e o seguro a pagar. Para enorme enfado da mulher que gostava de estar, por vezes, sozinha e não ter que aturar as parvoíces do marido.

Entretanto Mário Felício chega a casa lentamente como se carregasse todos as tristezas do mundo na sua mala de entregador de comida. O pai repara no filho e envia-lhe uma mensagem via, o tão conhecido, uotessape:

"Que se passa, pá?"

Sem resposta!

"Mene estou a falar contigo... Porque não me respondes?"

Finalmente:

"Deixa-me em paz".

No momento seguinte lê:

"O jantar está pronto!"

Era a mae!

Felício já com algum esforço, devido acima de tudo à gordura que carrega, ergueu-se do surrado sofá e dirige-se para a cozinha donde exala um belíssimo aroma a comida. Depois chega Maria Felícia radiante! Finalmente o filho com uma cara de macambúzio. O ambiente parece pesado para uns e leves para outros. Mas ninguém quer falar.

Foi a vez de Felício como chefe da família lançar as questões:

"Mas o que se passa aqui hoje? Uns parecem umas estátuas outros palhaços..."

Nem uma resposta! Felícia defende os filhos!

"Deixa os miúdos... Como chegaste cedo a casa pensas que os outros também não fizeram nada! Calão!"

A primeira resposta veio de Mário:

"Eh pá... não se preocupem... Levei com os pés da namorada".

"Que lhe fizeste?" - pergunta a mãe com vivo interesse. 

"Nada, mãe... não fiz nada!"

"Se calhar foi por isso"! - escreve o pai e coloca muitas gargalhadas!

"És um imbecil, pai!" - diz Maria Felícia.

Irado com o epíteto Felício sente o sangue a subir à cabeça para no momento seguinte estar estendido no chão em paragem cardio-respiratória. Todos numa reacção normal se aproximam de sopetão do patriarca para logo este recuperar os sentidos sem qualquer ajuda, De forma inusual pergunta de viva voz:

"Quantos há?"

Ninguém respondeu... e todos olharam-se entre si. Aquela pergunta não fazia sentido ainda por cima... falada! Foi Maria Felícia que acabou por lhe perguntar:

"Estás bem. paizinho?"

O homem já recomposto e sentado novamente à mesa respondeu através do telemóvel:

"Eu sempre estive bem! O que se passa com vocês?"

Os Felícios! #5

Resposta a este convite da Ana

Episódio 1

Episódio 2

Episódio 3

Episódio 4

Estava Felício confortavelmente recostado à cabeceira da vetusta cama de ferro, herança de uma tia-avó que nunca conhecera, a tentar fazer o que restava das palavras cruzadas de um pasquim, quando olhou para a televisão na qual Felícia ficava vidrada e percebeu que alguém falava num enorme incêndio em Alguidares-de-Baixo.
Pegou no telemóvel e enviou uma mensagem à mulher deitada a seu lado:

"Olha essa é a terra do meu trisavô!"

"E eu ralada", Felícia ainda não esquecera o tal dia de praia que não... fora!

"E se fossemos lá à festa? Nunca lá fui... Bom nem sei onde é!" - escreveu.

"Quero lá saber. Vai sozinho"!

No dia seguinte Felício lançou mais uma vez a ideia da noite anterior, via uotessape, envolvendo desta vez os filhos.

"Pessoal bora a uma festa na aldeia com música pimba e tudo?"

As respostas não tardaram a chegar de Mário Felício e Maria Felícia.

"Que aldeia mene?" pergunta o filho.

"Cena marada pai. Bora lá!" enviou a mensagem para logo a seguir voltar a enviar outra.

"Onde é?"

"Alguidares-de-baixo"!

"Isso é adonde?"

"Lá para trás do sol posto" responde Mário Felício e acrescenta uns sorrisos.

'Parvo" responde Maria Felícia e avança um diabo!

"Loira!" devolve o irmão e mais sorrisos!

Dois dias depois Felício entra radiante em casa, descalça os sapatos malcheirosos deixando-os na entrada, vai ao frigorífico onde surripia uma cerveja e senta-se no velho e afundado sofá que já merecia reforma. Liga a televisão e bebe um gole generoso da garrafa.

Quando escuta os filhos chegarem pega no telemóvel e envia nova mensagem:

"Já sei onde é a aldeia. Fica para lá de Vale de Lençóis, a uns quilómetros de Alface-a-Velha!"

Maria que está no quarto ainda de volta da roupa que há-de vestir para a naite, devolve:

"Já sabes quem são os artistas?"

"Os melhores da praça" responde o pai.

"Mas quem?" pergunta Mário Felício.

"O Joy de Setúbal, o Moni das furgonetas, o João Bacalhoa e o maior dos maiores o Didi Gravatas"

"Ena tantos... e dos bons" afirma Mário Felício.

"Fixe velho. Bora lá..."

De súbito os três recebem uma mensagem da mãe:

"Só em sonhos... Isso foi o cartaz de antes da pandemia"

Acrescentou:

"O Joy está preso por fazer pleibeque, o Moni fugiu para a estranja por causa dos impostos, o Bacalhoa morreu este ano de enfarte e o Didi Gravatas está num lar depois de um AVC".

Terminou escrevendo:

"Mas ide, ide e não vindes tão depressa!"