Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Mataram o Pai Natal - II

(... continuaçáo daqui e em resposta a isto)

Acordou com o som de vozes. Abriu os olhos e deu logo de caras com o monitor do seu velho e obsoleto computador onde passavam umas bolas. Num gesto rápido ergueu o corpo da secretária com medo que alguém o visse naquele estado.

Espreguiçou-se com prazer, bocejou, flectiu as pernas e por fim voltou a sentar-se. Enterrou a cabeça entre as mãos enquanto perguntava:

- Mas o que me aconteceu ontem?

Olhou para o lado e ainda lá estava o que deveria ter sido a sua consoada.

- Nem jantei…

As vozes aproximavam-se… Seriam os colegas que entravam de manhã. Buscou o telemóvel e ao ver 7 e 35 da manhã ainda mais se espantou. Procurou as chamadas e nenhuma para o chefe Baptista.

- Ai… será que estou louco?

Os colegas entraram de rompante e ao darem de caras com Olegário cumprimentaram:

- Bom dia, Feliz Natal

- Ah bom dia…

- Ficaste aqui toda a noite?

Seria prudente dizer a verdade.

- Sim fiquei… tinha aí uns processos complicados… Depois não tenho ninguém em casa e a brigada não pode ficar aqui deserta…

- Olha não pode, diz este.

- Sabe-se lá que crimes se podem cometer na calada da noite… Há gente capaz de tudo.

O outro inspector aproximou-se e imitando com os dedos um auscultador telefónico foi glosando:

- Está lá… é da brigada criminal? Sou o agente…, sei lá, Galante e pretendo comunicar um crime na rua. Mataram o Pai Natal!

Desfez a brincadeira das mãos e deu uma sonora gargalhada. Olegário assustou-se:

- Tu não brinques com isso…

Desligando-se instantaneamente da galhofa o outro perguntou:

- Olha lá ficas por cá ou vais para casa?

Desde que a Ercília morrera, havia mais de cinco anos, e antes dela a partida da filha para parte incerta, que o Inspector sentia estes dias festivos como uma faca no seu frágil coração. Por isso devolveu:

- Vou acabar aqui umas coisas e depois vou para casa.

- Boa… vai descansar que bem precisas. Pareces que foste chamado a meio da noite para tomares conta de um caso! Estás um caco!

- Sim vou embora. E não faço mais nada!

Desligou o computador, vestiu o sobretudo, pegou no saco que deveria ser da ceia e agora seria de almoço e saiu para a rua.

Um vento frio, gelado soprava com força obrigando-o a apertar o sobretudo contra o corpo. O movimento citadino era quase nulo e rapidamente chegou a casa. Estacionou o carro, retirou algumas coisas entre elas o saco com víveres e entrou no prédio.

Como não gostava de elevador subiu os três andares pelas escadas. Mas foi com um misto de espanto e dúvida que viu no patamar do seu andar duas pessoas que pareciam esperar alguém. Quando a mulher se virou Olegário pareceu ver outra vez a mulher.

- Pai…

- Filha…

- Este é o seu neto António!

O jovem aproximou-se do avô que nunca conhecera e abraçou-o. Olegário olhou para uma pequena janela nas escadas e tentou ver o céu azul. Depois disse para consigo:

- Não mataram o Pai Natal! Ainda bem!

FIM

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.