Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Leitura breve

Folheio aquela caturra sebenta,
Dos meus longos dias passados,
E releio com dor todas as palavras,
Que ali fui enfim depositando.

Nas folhas amarelas e puídas
Parecem arabescos desenhados
As palavras rasuradas e reescritas
Que quase nem sei decifrar.

Leio e releio o que ficou à tona,
A substituir as palavras primeiras,
Estas são mui velhas, quase mortas
Ora cortadas a negro profundo.

Quero apagá-las, fazê-las desaparecer
Deitar-lhes o fogo e deixá-las arder.
Ou simplesmente afogá-las,
Nas lágrimas que já não sei verter,

Há livros destes que não gosto de (re)ler!