Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Do baú... #3

Aos meus filhos

 

Quarenta noites de vigília,

Para o amanhecer mais tardio.

Quarenta dias de sonho,

Desmaiados num mar bravio.

 

Quarenta ladrões fugindo

Da natureza, sua mãe, também

Quarenta cestos empunhados

Gritando loas a ninguém.

 

Quatro abraços num só,

Parte de um mundo novo.

Quatro esperanças renascidas

Num grito que é do povo.

 

Quatro flores desabrochando

Em pétalas sempre luminosas

Quatro nós bem apertados

Em lindas casacas sedosas.

 

Um momento só…

Chega para se ser feliz.

 

Amadora 26/02/1999