Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Desafio de escrita dos pássaros #4

Mote: A Beatriz disse que não. E agora?

 

Sentado numa esplanada Malquíades olhava o mar em todo o seu esplendor. A linha do horizonte divida-se entre o anil do oceano e os tons alaranjados de fim de tarde onde o sol tendia a desaparecer. Corria uma brisa leve.

Olhou o relógio e mostrou real preocupação. Espreitou para lá do caminho, mas só via gente desconhecida como se olhando fizesse aparecer alguém.

Pegou no cachimbo, encheu o fornilho, calcou o tabaco, furou-o para que o ar circulasse e finalmente acendeu-o. No ar pairou um ar doce e perfumado do fumo.

No instante seguinte Andrelino sentou-se sem que Malquíades tivesse dado conta da sua chegada. Finalmente:

- Então?

- A Beatriz disse que não…

O jovem puxou de uma fumaça, expirou o fumo, beberricou a cerveja que tinha à sua frente, recostou-se na cadeira e ficou a olhar novamente o mar. Andrelino pediu ao empregado também uma imperial e aguardou que o amigo se recompusesse do choque. Já de cerveja na mão bebeu um bom bocado e atacou:

- Estavas à espera de quê? Que eu fosse lá pedir namoro em teu nome e ela caísse nos meus braços? Sinceramente acho que ela fez muito bem…

Malquíades continuava a fumar em silêncio. O outro continuou num ataque cerrado:

- Essa tua mania de que só de olhares para uma mulher ela fica caída por ti, não faz qualquer sentido. E depois… já quase te tramaste por isso. Ou esqueceste-te que fui eu que te livrei de sarilhos?

Abanou a cabeça negativamente.

- Sabes que falar nunca foi o meu forte… E se lhe escrevesse uma carta - lembrou.

- Ouve lá… sabes em que século estás? O Cyrano de Bérgerac é que escrevia cartas… no século XVII. Se queres a miúda tens de ir falar com ela e dizer-lhe o que sentes. As mulheres adoram isso. Admira-me que sejas assim… Tu a escreveres és um ás… Que ideia é essa de não falares com as mulheres? Tens medo?

Malquíades bateu de lado com o fornilho no tacão do sapato deixando que a cinza se espalhasse. Respondeu então:

- Medo não… - e após um breve silêncio – vergonha…

- Eh pá vergonha? Vergonha é roubar e ser apanhado! Tens de ir ter com ela e roubar-lhe o coração senão outro o apanha. E agora parceiro?

O amigo olhou para a mesa e devolveu:

- Agora? Agora pede mais duas imperiais!

36 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D