Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Sábado, 10.06.17

Contos Tontos - 26

Do outro lado da secretária o médico abriu o sobrescrito, desdobrou o papel e percorreu todos os items. A mão esquerda foi à cabeça instintivamente, dando azo a que o entregador desconfiasse de algo.

Por fim disse:

- Bom está tudo... mais ou menos bom. Só há aqui um pormenor que pretendo esclarecido.

O doente recostado na cadeira, de perna traçada e mãos no joelho, avançou calmamente:

- Oiça Doutor... deixe-se de rodeios e diga o que se passa. Já percebi que há aí algo que não será bom. Vá diga lá o que tenho.

O médico continuava a observar o papel. A bola estava agora do seu lado. Dizer ou não a verdade pareceu ser a questão principal.

- Então Doutor diga o que lhe parece! Não tenho medo de nada. E não o culpo daquilo que tiver...

- Oiça... - respondeu finalmente - já percebi que é um homem pragmático. Assim digo-lhe tudo o que tem e qual vai ser o seu futuro.

- Vá desembuche...

- Bom o meu caro tem... um cancro em estado avançado... Mas tem tratamento.

O silêncio reinou na sala por uns curtos minutos. Até que:

- Quanto tempo terei de vida a partir de agora?

O médico não esperava aquela questão. Assim respirou antes de dar a resposta. Depois:

- Não imagino... Com tratamentos pode ainda durar muitos anos.

- Bom... digo-lhe já que não vou fazer qualquer tratamento. Nem direi à minha família o que tenho.

- Mas isso é um absurdo...

- Pode ser que sim. Mas a partir de agora se disser à minha família todos irão sofrer até eu morrer. Se morrer em breve só sofrerão com a minha morte e não com o meu sofrimento.

- Desculpe lá, mas se morrer em breve as pessoas sofrerão mais depressa com a sua morte. Ao invés, se tomar medicamentação vai poder viver mais anos e a sua família só sentirá a sua perda daqui a muito tempo.

O doente levantou-se da cadeira e contrapôs:

- Já viu com toda a certeza gente a definhar com os tratamentos, certo?

- Claro que sim, mas...

O outro interrompeu:

- Alguma vez deu conta do que sofre a família ao assistir ao lento murchar do familiar?

- Provavelmente não... mas... calculo...

- Então doutor... deixe-me morrer em paz. É só o que lhe peço!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por José da Xã às 22:47


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes