Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

A cor laranja

Sabes que cor tinham as contas que usavas

Naquele estranho encontro no alfarrabista

onde comprámos romances apaixonantes?

 

Lembras-te de que cor era aquele pôr do sol

quando, pela primeira vez, os nossos lábios,

conheceram o gosto inesquecível do amor?

 

Recordas-te de que cor era o teu belo vestido,

Que estreaste numa branda tarde, quase noite,

Em que ambos provámos o néctar da paixão?

 

Tens ideia de que cor era a doce madrugada

Em que acordámos juntos, nus e tão felizes

E olhando pela janela, sorrimos de encanto?

 

Olha amor, tens agora na tua enferma mão,

Mesmo nesta que já não mexe, nem aceita

Uma encantadora laranja. Sim a nossa cor!

 

Texto escrito no âmbito do desafio da "caixa de lápis de cor" da  Fátima,. Entram também a Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita, a Miss Lollipop, a Ana Mestre a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue, e o João-Afonso Machado

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.