Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Segunda-feira, 17.12.12

Poema simples III

És um poeta! Anunciou vaidoso

 

Porém numa chispa de lucidez
Devolvi em natural pensamento

Se seria a modéstia, talvez

Que via na graça um tormento.

 

Ninguém diz ao ferreiro que o é,

Ele sabe por detrás da bigorna.

Ninguém clama pelo cavador José,

Que fende a preceito a terra madorna.

 

Poeta não é rasgar as palavras...

É senti-las. Tactear o veludo da vida

Da epiderme das almas ilécebras,

E amar sem destino a dor perdida.

 

Poeta é chamar a nós a ternura,

Sonhar e crer que tudo é real.

Desfazer-se em torrentes de amargura,

Sofrer como se tudo fosse igual.

 

És um poeta, repetiu garboso.

 

Eu então sorri...

E respondi:

És um mentiroso

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por José da Xã às 23:37


2 comentários

De Inês Neves Henriques a 18.12.2012 às 00:05

está muito bom, gostei imenso!

De José da Xã a 18.12.2012 às 19:02

Olá... A poesia não é realmente o meu forte.
Prefiro a prosa!
Ainda assim muito obrigado pelo comentário!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes