Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Quarta-feira, 06.06.12

Trilhos Privados XXVII - Amena cavaqueira

 

A conversa entre Jorge Simas e Ricardo assessorada pelo fidelíssimo Xavier durara toda a noite. O jovem entrara na moradia do amigo do defunto Ludovico e dera com uma casa que era quase um museu. Por todo o lado se viam pinturas de gente supostamente nobre, envoltas em molduras douradas e claramente pesadas. Os móveis todos impecavelmente limpos e estimados pareciam ter origem em séculos anteriores. Espadas sabres e espingardas de carregar pela boca espalham-se pelas paredes da casa. Durante toda a noite um relógio de pé fez questão de estar presente com a sua música e badaladas que tocava de quarto em quarto de hora. Mais uma peça de museu. A um canto um gramofone com campânula de madeira do principio do século XX.

Um conjunto de “fauteils”, os únicos com evidentes traços de desgaste, espalhavam-se pela enorme sala. Duas enormes portas davam acesso a uma larga varanda donde se via toda a moradia de Célia, agora embrenhada em escuridão. Serenamente como tivessem todo o tempo do mundo, Jorge e Ricardo sentaram-se nuns cadeirões e foram absorvendo os perfumes e sons da noite. De quando em vez, quando o vento estava a favor, ouviam o som das ondas do mar na costa quase próxima. Com uma chávena de chá fumegante Jorge recostou-se e antes de levar a chávena à boca perguntou:

- Diga lá então meu caro o que anda a nossa menina Celinha a fazer?

Ricardo não sabia se havia de confiar naquela personagem tão atípica mas ao mesmo tempo tão correcta e calma. Mirou-o nos olhos e percebeu que a questão era sincera. Respirou fundo, soprou o chá quente, beberricou quase nada e foi dizendo:

- A menina Célia está metida em enormes trabalhos…

Novo golo e Jorge respondeu a si mesmo:

- Porque será que não me admiro?

- Como? – propôs Ricardo.

- Comentava para mim mesmo a razão de não me admirar da Célinha andar metida nesses trabalhos! E já agora sabe-me dizer que trabalhos são esses?

O rapaz ajeitou-se no cadeirão poisou a chávena em cima do pires e calmamente passou a mão pelo cabelo e finalmente decidiu-se a divulgar parte da história de Célia.

- Sabe senhor Simas…

- Por favor trate-me por Jorge – interrompeu.

- Pois seja, Jorge. Eu sempre gostei muito da Célia. Na escola falávamos pouco… ela tinha sempre olhos para os outros com carros e motas. Mas eu nunca deixei de a amar. Só que…

Respirou fundo, cruzou a perna por cima da outra e continuou:

- Eu sempre fui pobre e tenho de ganhar o meu sustento… Por isso todas as noites faço de motorista num carro luxuoso.

- Mas motorista de quem?

- Pois… é isso… Eu quase sempre vou buscar senhoras a hotéis… e levo-as a casa. E dão sempre boa gorgeja…

- E mais meu amigo…

- Bom na noite em que morreu o seu amigo, recebi ordem para ir ao Estoril o Hotel Palace buscar uma senhora…

Porém não foi uma senhora qualquer que transportei mas… Célia. Estava acompanhada de um chinês…

- De um chinês? Mas que coisa absurda e idiota…

- Pois também acho…

- Mas continue, continue…

- Eu percebi que ela me conheceu, mas eu fiz de conta que não era nada comigo. Só que a determinada altura ali perto da Boca do Inferno o chinês mandou-me parar, saiu e disse-me para levar a Célia a casa.

- Assim sem mais?

- Foi o que eu estranhei… mas não disse nada.

- E o meu caro amigo sabe como Célia chegou a esse nível tão baixo? Os pais de Célia não eram milionários mas o dinheiro não parecia ser problema…

- Eu posso estar eventualmente a especular, mas creio que tudo se precipitou após uma saída à noite a uma discoteca. Encontrei-a mais a uma amiga junto do carro na manhã em que morreu o pai de Célia. Ela parecia um bocado desorientada e quase não dizia coisa com coisa. Se me é permitido mais uma vez especular, Célia meteu-se com o meu ex-patrão. E ele não é flor que se cheire, isso não.

- E quem é ele?

- Só sei que se chama Gui de Guilherme e tem uma quantidade de tipas que trabalham para ele como acompanhantes… de luxo… Sabe o que quero dizer? Mas a Célia esclareceu depois que não tiveram nada. Ela e o chinês...Mesmo assim...

- Olhe meu caro amigo. Sei muito bem do que fala… Isso é um negócio perigoso…

- Eu sei que sim mas ele não tem medo de nada…

- Não tinha…

 

José da Xã

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José da Xã às 01:26


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes