Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Contos Tontos - 35

Na lareira ardia um fogo denso exalando um bafo quente, dando à biblioteca um ambiente acolhedor. Na frente do lume Américo lia um livro grosso. Geralmente optava por clássicos, já que ainda não se adaptara à nova forma de escrita.

Sentado num velho sofá de cabedal cuja cor há muito que havia desaparecido ia folheando o livro com a serenidade que os seus anos quase o obrigavam.

Enviuvara havia poucos meses, após uma luta inglória contra a doença da esposa. Optara por ficar na sua casa de sempre, repleta de recordações de mais de meio século de casamento.

Todavia naquela noite sentia-se mais triste e mais só que todas as outras. Especialmente porque os netos lhe haviam prometido visitá-lo nessa noite e até àquele momento nenhum aparecera.

Era tarde, assim o indicava o enorme relógio que num tique-taque longo desfiava minutos, horas, impaciências.

Américo fora médico de renome. Deixara de exercer logo que a esposa adoecera, no entanto era amiúde interpelado por colegas, para tirar dúvidas. Questões que o médico nunca recusava responder.

Tocou no relógio as badaladas da meia-noite. Doze toques sonoros, lentos, pausados. Iniciara-se outro dia e Américo decidiu preparar-se para se deitar. Os netos haviam falhado a promessa e portanto nada mais o obrigava a ali ficar. Fechou o livro, ergeu-se e aproximou-se do lume para o ajeitar.

Depois voltou-se para a porta de saída e…

- PARABÉNS Avô!

Um coro feito pelos cinco netos e pelos dois filhos ecoou na casa!

Américo recuou com o impacto das vozes em uníssono. Esquecera-se por completo do seu aniversário.

Por fim abriu os braços para envolver a família. Todos o abraçaram num momento único. E ali ficou uns segundos que lhe pareceram horas. As lágrimas corriam pela face rasgada pelos muitos anos.

- Avô, estás a chorar? – perguntou-lhe a neta mais nova.

O velho médico aconchegou a neta ao peito e disse-lhe com a voz embargada:

- Estou…

- Nunca te vi chorar…

Em silêncio deu um longo beijo na neta enquanto olhava para o quadro pendurado na parede oposta com a figura bonita da esposa.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D