Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Contos Tontos -17

Sentada na areia morna que o sol aquecera, de vez em quando erguia o olhar do livro e lançava-o pelo mar até ao horizonte. Depois serenamente regressava à leitura.

A seu lado os seus pertences. Entre eles a toalha ainda dobrada que aquecia ao asto-rei.

Em seu redor uma quantidade de gente diferente gozava daqueles momentos de veraneio. Uns gritavam, outros riam, mas nenhum curiosamente incomodava a sua leitura. Nem mesmo a movimentação de gentes, que entravam e saiam calmamente da praia.

Optara por um lugar perto da duna, de forma a não ser demasiadamente incomodada com o vento que soprava áspero.

O sol descia já numa tentativa de se afundar no horizonte devolvendo aquelas cores alaranjadas tão características de fim de tarde.

Quando levantou uma vez mais os olhos para o seu horizonte atravessou alguém que se sentara a uns metros, não muitos, de si.

De costas o homem parecia bem constituído e apresentava-se com um tom razoável de bronzeado. A praia é dos poucos lugares onde se pode olhar para perto como se estivessse a olhar ao longe. E vice-versa!

De súbito o homem ergueu-se, deu meia volta em busca de algo que não encontrou e ela pode então reparar que o seu vizinho tinha um aspecto musculado mas bem parecido, diria mesmo... esbelto. E prendeu naquele corpo macho o seu olhar...

Interiormente envergonhada pela sua atitude regressou à leitura, onde curiosamente nesse mesmo instante leu:

"O problema não é amar... mas saber quem amar!"

Contos Tontos -16

Ela fumava um cigarro enquanto ele parecia dormitar. Não gostava por aí além do cheiro do tabaco mas a rapariga não sabia resistir ao impulso.

Ela parecia olhar a noite através da janela aberta. Ele fixara o olhar no espelho do guarda fatos de reflectia parte da cama.

Finalmente ela falou:

- Estás zangado comigo?

Ele respondeu de forma quase em surdina:

- Não!

- Não ouvi…

- Não! – respondeu num tom mais alto.

- Então porque estás assim tão triste?

- Quem te disse que estou triste?

- Percebo eu nesse teu silêncio sepulcral.

Ele nada mais disse.

Ela apagou o cigarro e levantou-se da cama e foi à casa de banho.

Ouviu a água a correr e viu-a sair nua.

Ela aproximou-se dele e beijou-o. Sabia a desinfetante oral. Ele respondeu ao ósculo com a ternura que o momento obrigava.

Finalmente ela ergueu-se e passou a mão pelas madeixas do namorado. Deu a volta e voltou a enfiar-se na cama, cobrindo-se com o lençol. O rapaz  continuava na mesma posição em que ela o deixara. Por fim perguntou:

- Não queres dormir?

Ele virou-se para ela e devolveu simplesmente:

- Sim, vamos dormir!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D