Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.

Poema simples III

És um poeta! Anunciou vaidoso

 

Porém numa chispa de lucidez
Devolvi em natural pensamento

Se seria a modéstia, talvez

Que via na graça um tormento.

 

Ninguém diz ao ferreiro que o é,

Ele sabe por detrás da bigorna.

Ninguém clama pelo cavador José,

Que fende a preceito a terra madorna.

 

Poeta não é rasgar as palavras...

É senti-las. Tactear o veludo da vida

Da epiderme das almas ilécebras,

E amar sem destino a dor perdida.

 

Poeta é chamar a nós a ternura,

Sonhar e crer que tudo é real.

Desfazer-se em torrentes de amargura,

Sofrer como se tudo fosse igual.

 

És um poeta, repetiu garboso.

 

Eu então sorri...

E respondi:

És um mentiroso