Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Sábado, 24.12.16

O relógio

Devagar, muito devagar entrou no escritório que era acima de tudo a sua biblioteca, o seu refúgio, tal era quantidade de livros espalhados pela pequena divisão.

Tricotou por entre as resmas de livros e sentou-se finalmente à secretária, também ela repleta de publicações. Ao centro destacava-se, contudo, uma velha máquina de escrever.

Da janela entrava um sol acolhedor que parecia aquecer a pequena sala. Numa parede de lado dormia um velho relógio, herança do pai e que já fora do avô. Olhou-o e percebeu que estava parado… havia muitos anos! Desabafou:

- Então companheiro… há quanto tempo que ninguém te dá corda, hem!

Depois virou-se para a sua “Hermes 2000” e devagar foi carregando o carro com uma nova folha de papel. Rodou o rolo lentamente e acertou a folha, como sempre o fizera. Ao contrário de todos os outros escritores que conhecia, ainda não se adaptara às novas tecnologias. Daí a sua velha companheira.

Na verdade a sua editora através de carta solicitara que escrevesse algo para a época do Natal desse ano.

- Um conto de Natal? Mas eles estarão mais senis que eu? – questionou na altura.

Voltou a pegar na missiva que recebera, releu e suspirou. Um suspiro profundo que saiu naturalmente, tal parecia vir a ser o frete.

Não obstante a sua já provecta idade ainda assim mantinha a escrita como modo de vida. O sucesso das suas obras residia num passado já longínquo, mas aquele ainda lhe trazia alguns proveitos pecuniários. O suficiente para ir sobrevivendo.

Agora estranhamente surgira este invulgar pedido. Escrever um conto de Natal…

Ele que havia trinta anos não comemorava a quadra. Desde que os seus filhos haviam partido de casa sem nunca mais darem sinal de vida. Depois seguira-se a Laurinda…
Desta jamais fizera luto. Achara que não seria necessário. O amor pela mulher morava ainda no seu coração e não nas vestes negras…

- Mas vou escrever sobre o quê?

Olhou novamente o relógio de parede e perguntou-lhe:

- Companheiro silencioso… que me dizes? Tens alguma ideia?

Afastou-se da secretária de forma a poder abrir e vasculhar a gaveta. Após alguns minutos encontrou o que pretendia. Ergueu-se devagar e procurou um banco no meio de tanto livro, atirou alguns ao chão, até o encontrar. Finalmente subiu para ele e abrindo a portinhola de vidro enfiou a chave no buraco respectivo e rodou. Um som característico fez-se ouvir e ele deu 12 meias voltas até que a chave não rodou mais. Seguiu-se o outro buraco e repetiu as voltas e os gestos. Finalmente pegou no pêndulo e fê-lo balancear.

Escutou um tic-tac compassado e nivelado. Desceu do banco e sorriu…

Voltou à sua secretária e começou a bater as teclas. Puxou o rolo para cima para reler o que acabara de escrever e repetiu em voz alta:

- Um conto de Natal, o relógio…

De súbito uma voz grave, mas calma disse atrás dele:

- Como podes gostar tanto de relógios se nunca os pões a trabalhar?

Ele reconheceu a voz. Uma lágrima correu pela face mas não se voltou. Continuou a bater nas teclas da sua máquina de escrever, todavia desta vez ia repetindo em voz alta o que escrevia:

- Fizeste-me falta meu filho. Sabes do teu irmão?

Outra voz soou:

- Estou aqui meu pai!

O escritor continuou a escrever:

- Este ano o espírito de Natal tem a voz dos meus filhos.

O relógio bateu finalmente as horas, pela primeira vez em trinta anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José da Xã às 17:53


8 comentários

De Cris a 01.01.2017 às 20:02

Algo de autobiográfico neste conto?
é que relógios e máquinas de escrever combinam com o que conheço de ti...
Já não venho a tempo de desejar um bom natal, mas ainda posso falar do ano que hoje começa. Um feliz Ano Novo, com saúde e amor.

De José da Xã a 01.01.2017 às 20:55

O conto refere três coisas biográficas.
Delas apenas acertastes em duas.
Faltaram os dois filhos.
Quanto ao resto é pura ficção. Mas gostaste da história?

De Cris a 02.01.2017 às 11:34

Sim, gostei da história. Apenas acho que devias arrumar os livros...

De José da Xã a 02.01.2017 às 13:42

Assim tem mais charme! Eheheheheh!

De Joana Raposo Gomes a 05.04.2017 às 20:17

gosto do simbolismo dos relógios parados :)

lindo conto, José

De José da Xã a 05.04.2017 às 21:46

Obrigado Joana.

Os relógios são a minha perdição e paixão. Ainda há pouco tempo recebi outro. Todos de corda.Tenho uma série deles... (quase todos parados). E por causa disso escrevi há alguns anos este texto: http://ladosab.blogs.sapo.pt/16417.html

Este conto surgiu assim do nada... mas saiu bem.
Já agora que é feito de ti?
A escrita requer persistência, sabias?
Um beijo grande deste quase idoso (mas hiperjovem de espírito).
(Só um aparte: a minha avó paterna chamava-se Joana e curiosamente nunca dei este nome a nenhuma das minhas personagens. Vá lá saber-se porquê...)

De Anónimo a 06.04.2017 às 01:17

Essa avó teria um carácter tão forte que não pediu ainda que o nome mudasse de personagem;) quanto a mim, escrevo menos do que gostaria... Infelizmente o tempo que me resta ao chegar a casa, tende a ser tão escasso quanto os segundos dos seus relógios parados :) e a inspiração acomoda-se no cansaço. mas sempre que posso tenho actualizado o blog. Um abraço !! E mais contos desses que venham

De José da Xã a 06.04.2017 às 08:25

Sabes que os meus contos são assim uma espécie de terapia.
Quando os escrevo parece que fico mais limpo por dentro. Gosto muito da tua presença por aqui. Sei-te fiel à minha pobre escrita e isso apraz-me.
Felicidades.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes