Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Sábado, 19.11.16

Contos Tontos - 24

Olhava o envelope com desconfiança. Sabia que dentro daquele subscrito estaria certamente notícias sobre o seu futuro.

Mas tardava em abrir. Tinha medo, insegurança, desconfiança, um ror de dúvidas.

Caminhava pela enorme sala quase vazia de parede a parede. Sempre que passava pelo rectangulo branco olhava-o de soslaio como se ele fosse um envelope-bomba.

Sentiu o telemóvel a tremer no bolso. Retirou-o e percebeu que era a mulher. Achou melhor não atender mas conhecia-lhe a teimosia e assim:

- Estou...

- Dário, que diz a carta?

- Ainda não abri...

- Porquê?

- Porque não. Receio o que ela tenha para me dizer.

- Mas tu não sabes sem a abrir. Não vale a pena fugires.

Ele tinha consciência da razão dela, todavia receava. Com todos os poros da sua pele.

- Dário! - insistiu ela.

Ele numa voz quase sumida respondeu:

- Estou aqui...

- Abre a porra da carta... - gritou ela.

Dário aproximou-se do envelope, abriu-o, desdobrou o papel e leu. A mulher do outro lado da linha aguardava, impaciente. Finalmente respondeu:

 - Está em branco... Não diz nada!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por José da Xã às 20:11


2 comentários

De Cris a 22.11.2016 às 21:42

A tinta amarelou de medo! ahahah

De José da Xã a 22.11.2016 às 23:28

Pior... desapareceu...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes