Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Domingo, 27.03.16

Contos tontos - 15

Sentia nas mãos o poder todo. Naquele momento ele era o dono de si mesmo.

Sentia-se sempre assim quando viajava no seu potente veículo de duas rodas. Riu-se daquela permanente discussão de um seu amigo entre mota ou moto.

Acelerou e o ponteiro do velocímetro ultrapassou os três números. Continuou a puxar pelo veículo. O vento batia-lhe com força no peito e arrefecia-o.

Mas ele nem sentia o frio da tarde tal era a liberdade que se espraiava à sua frente no alcatrão cinzento. Ultrapassava veículos a uma velocidade estonteante.

Sentia a vibração do asfalto nas mãos mas continuava a acelerar. A estrada à sua frente tendia a estreitar-se quanto maior era a velocidade empreendida.

Num rasgo de lucidez percebeu que ia demasiado depressa e foi pausadamente desacelerando até a uma velocidade dentro dos limites.

Desviou-se para a direita deixando que os carros mais apressados o ultrapassassem. Quando deu por si conduzia tão devagar que pode finalmente endireitar-se.

O vento continuava a bater-lhe no peito mas com menos força.

Uma mão feminina tocou-lhe na perna e conseguiu ouvir a pergunta:

- Porque vais tão devagar?

Ele respondeu:

- Porque simplesmente quero chegar…

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José da Xã às 21:43


2 comentários

De Cris a 16.06.2016 às 21:29

Teve tino a tempo...

De José da Xã a 16.06.2016 às 22:01

Alguns não têm. Infelizmente.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes