Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Sexta-feira, 30.03.12

Contos Breves - Amor Tropical - XLI

O corpo esbelto e bem torneado de Regina era o tema de todas as conversas no povo. Chegara havia semanas acompanhada do pai Bernardo, um filho da terra que partira para terras de Vera Cruz havia mais de trinta anos e durante todo esse tempo jamais comunicara com a aldeia que o vira nascer. Regressara finalmente acompanhada pela filha de pele morena, queimada pelo sol tropical e longos cabelos loiros, tal qual a seara de trigo, que tantas vezes em gaiato ajudara a ceifar.

A jovem, era agora alvo de falatório aguçado e viperino. As mulheres quase todas viúvas, mal casadas ou mal amadas, respingavam com azedume palavras ásperas com o intuito de magoar pai e filha:

- Uma desavergonhada! Uma tentação do Diabo!

- Doidivanas é o que é! Que descaramento! Vir para aqui assim… naqueles propósitos…

E o assim correspondia a saias muito curtas, evidenciando um par de pernas bem desenhadas e acobreadas. A jovem, porém, não temia os ditos. Sorria, apenas. Havia muito tempo que se habituara a ser o centro perfeito dos homens e o imperfeito das mulheres.

Regina adorava passear pelos campos, repletos de flores silvestres. Só. Saía de casa manhã cedo e explorava com natural emoção locais e referências doa quais o pai sempre lhe falara. Não temia ninguém e muito menos o povo sereno da aldeia, não obstante as venenosas observações de que era alvo.

Os jovens rapazes sonhavam romances arrebatadores e paixões quentes e impossíveis com a jovem estrangeira. Todos lhe queriam conquistar o coração. Havia mesmo quem já imaginasse coisas…

 Ora certa tarde de uma primavera luminosa o Alfredo entrou na taberna do Bilhas e anunciou com ar triunfante:

- Aquela já cá mora no "papo" do menino! - e batia com as mãos no peito inchado.

Os outros desconhecendo a quem se referia o galã, perguntaram:

- Aquela quem?

- A brasileira…

- A brasileira? Mas que é que lhe fizeste?

- Ainda nada! Mas não tarda nada ides ver…

No pensamento dos amigos passou a imagem quase proibida da jovem nua e ao alcance da mão.

- Não acredito! – Afirmou com relutância Jorge.

- Então não acredites! Isso é contigo.

- Mas conta lá o que é que aconteceu.

Uma dúzia de olhos, ávidos de relatos mais coloridos, convergiu a atenção para o que Alfredo iria dizer.

Apanhado na sua própria arrogância e mentira, o jovem rapaz começou por coçar a nuca numa preocupação evidente. Pigarreou e finalmente avançou:

- Uma destas tardes andava eu à caça, lá para os lados da Pia Estreita…

- … mas agora estamos no defeso, se a Venatória te apanha… - cortou o Felisberto.

- Eh pá cala-te, deixa lá o rapaz falar – zangaram-se os outros.

- Pronto, pronto, não digo mais nada. Continua Alfredo…

- Ora com estava a dizer eu andava lá para os lados da Pia, quando vi ao longe uma figura toda jeitosa - e desenhou no ar com as mãos as curvas de um corpo.

Um coro de assobios soou na tasca. Continuou:

- Aproximei-me devagar e encontrei a brasileira envolta em silvas, picando-se e rasgando as mãos, pernas e braços. Então cheguei ao pé dela e perguntei-lhe calmamente: quer que eu a desamarre desse enredo?

Todos o miravam em silêncio, aguardando a resposta que a jovem teria dado:

- … tremia como varas verdes, parecia que lhe metia medo…

Estas últimas palavras haviam sido proferidas pela própria Regina que entrara na taberna com à-vontade e escutara as últimas fanfarronices de Alfredo. Este, num estalo de dedos, transformou-se na cor da cal. O ar zombeteiro e marialva fora substituído por um agitar demasiado nervoso.

O suor escorria testa abaixo deixando antever a agitação que o invadia. Os amigos que o rodeavam perceberam rapidamente o estado de espírito do outro e inclementes atacaram:

- Olha lá Alfredo foi mesmo assim como diz a Regina? Tremias que nem um pudim em dia de boda?

- Nem pensar! Ela é que está a exagerar!

- Mas tu disseste que ela estava no “papo”! Ou fui eu que ouvi mal?

A atrapalhação da última pergunta fez com que Alfredo abandonasse o café bufando e praguejando. Os restantes mantiveram-se na loja, riram do jovem gabiru e aproveitaram para conversar com a brasileira, que no seu linguajar doce ia deitando algumas achas nos corações daqueles jovens repletos de ideias e paixões apenas sonhadas.

- Vocês são uma gracinha! Mas aquele pobre partiu triste…

- Deixe lá Regina. Ele é um gabarola muito conhecido na aldeia e arredores. Já ninguém vai na conversa dele! Mas conta histórias engraçadas e nós gostamos de o ouvir…

A jovem ficou com os homens na taberna, tornando-se um deles. Ria alto, contava piadas, ouvia com atenção as dos outros e bebia cerveja naturalmente.

Devagar a aldeia foi-se habituando à presença da brasileira. A simpatia que irradiava acabou por ser contagiante e finalmente o povo aceitou a jovem tal como era. Visitava os idosos fossem ou não da família, ajudando-os em algumas tarefas caseiras, apaziguando alguns corações mais revoltosos.

Desde os acontecimentos na taberna que Alfredo fugia da bonita brasileira. Temia que esta o envergonhasse uma vez mais. Assim que chegava do trabalho recolhia-se a casa, ajeitava a horta que crescia nas traseiras, dedilhava um velho banjo que herdara de um avô, suspirava… De manhã pegava na velha motorizada e partia bem cedo para a fábrica. Porém foi a jovem Regina que o apanhou desprevenido um sábado à saída de casa, quando aperaltado se dirigia não sabia bem aonde, só sabia que estava farto de estar em casa fechado:.

- Oi como está você?

O rapaz deu um salto, pensou voltar para trás mas ganhou coragem e respondeu ao cumprimento:

- Estou bem! E a menina?

- Tudo numa boa. Me diga uma coisa, porque me evita?

Ele merecia aquele castigo.

- Eu peço imensa desculpa. Sou um parvo…

- Não é nada. Você não me fez mal algum. Foi só a si…

- É, sim… claro! – Alfredo tremia. Sentia-se desfazer-se na frente daquela bonita mulher. Parecia a do calendário que o Fernando expunha no velho barracão. Aqueles olhos verdes, o cabelo longo, o corpo perfeito…

A jovem sorriu. Tinha perfeita consciência das sensações que causava. Mas aquele rapaz era ainda muito ingénuo, não obstante a gabarolice das suas palavras. Por isso pegou-lhe na mão, puxou-o para si e beijou-o ternamente. Alfredo nem queria acreditar. Um sonho tornado realidade. Uma paixão tanto tempo alimentada de sonhos e desejos… E respondeu como pode e sabia ao ósculo feminino.

- Gostou?

- Eu… eu … - gaguejou – não sei o que dizer. Desculpe.

Regina riu. Pegou-lhe na mão e puxou-o para si.

- Eu gosto de você! Me quer?

Alfredo derretia-se. Tremia, tremia como estivesse perante uma fera e não duma mulher. As palavras nem saíam. A garganta travava a fala. A emoção do momento era demasiada para o jovem coração. Finalmente recompôs-se e perguntou:

- Isso é a sério? Não está a mancar comigo?

Regina voltou a sorrir e respondeu:

- Pateta, claro que não. Eu não brinco com os sentimentos dos outros…

- Quero sim menina e muito…

- Não me trate por menina. O meu nome é Regina Novais.

Meses depois casavam na velha capela da aldeia com a pompa e circunstância que a cerimónia obrigava. Ao sair de braço dado com a noiva, Alfredo piscou o olho matreiro aos amigos que o aguardavam na rua.

- Afinal ele sempre a caçou… um sortudo! - comentou com os companheiros, quase em surdina, o Jorge.

Nesse instante alguém ouviu e respondeu também em surdina:

- Hum! Creio mais que foi ela que o caçou…

Os jovens olharam para trás e deram de caras com Bernardo, que sorria… feliz.

 

 

Também pode ler aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José da Xã às 23:11


2 comentários

De Fátima Soares a 30.03.2012 às 23:28

Hum... Mulher decidida assim é que é! Foi chegar, ver e vencer. Tudo de bom José.

De José da Xã a 30.03.2012 às 23:37

Como qualquer mulher que se preze!
Conheci um "gabiru" destes. Depois, ao contrário da personagem, caiu na pior regaço possível.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes