Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Segunda-feira, 26.03.12

Água da minha aldeia

Entre pedras sem polimento,
a água vai-se escoando.
Tem o rio no pensamento,
nada a detém. Vai voando.

É um risco simples na terra,
sulco vergado a tanta passagem.
É um vale recortado na serra
no coração de uma pastagem.

Ao longe vistumbra o azul,
destino final de outras tantas.
Sai-lhe ao caminho um paul,
silêncio de vivas mantas.

Foge lesta e indomável
à impossível prisão.
Felina sente o intolerável
dos que lhe roubam o pão.

Mistura-se como quem foge
que não vê mais o que é
Quer regressar a casa inda hoje
chamou uma nuvem para até.

Do cimo tão perto do céu,
corre apressada mais o vento.
Tomba por fim como um véu,
no vale de amoras e alento.

Quero ser eu, água, apenas e só!

 

Também pode ser lido aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por José da Xã às 09:48


2 comentários

De Fátima Soares a 26.03.2012 às 14:42

Bonito, Josá. A imagem de ser água simplesmente. Livre e pura. Sem impedimenteo de ida ou de chegada. Sem ter de pedir licença para correr. Boa semana.

De José da Xã a 26.03.2012 às 21:12

No fim de contas o ciclo da água desde a gota à nuvem e finalmente chuva. Já nem me lembrava deste poema...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes