Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

José da Xã

Escrever mesmo que a mão me doa.



Terça-feira, 12.06.12

Trilhos Privados XXXI - De regresso

O carro de Célia parou à porta da clínica privada acendendo os quatro piscas. A jovem saiu a correr e entrou no edifício. Algum tempo depois reaparecia com Ricardo que combalido caminhava devagar. Com cuidado e carinho ajudou.o a entrar no lado do pendura e colocou-lhe o cinto. Depois de se assegurar que ele estava bem, deu a volta a correr pela frente do veículo, agradecendo à paciência dos automobilistas que esperaram entretanto na fila que se juntou para estacionar e arrancou finalmente.

Quando chegou a casa esperavam-na no jardim Genoveva e Jorge Simas. Uma vez imobilizados novamente a rapariga abriu a porta a Ricardo. Mas já lá estavam Jorge e Genoveva para auxiliar. Um braço de cada lado e o jovem erguia-se a caminhar ainda hesitante, para a enorme sala. A tarde estava fria. Um vento gelado penetrava nos corpos arrefecendo-os. Por isso na lareira ardia uma chama crepitante e acolhedora. O rapaz sorriu e agradeceu o fogo aceso. Sentado finalmente num sofá, Célia ajoelhou à frente perguntando-lhe:

- Como te sentes? Dói-te alguma coisa?

Ricardo sorriu e respondeu com doçura:

- Estou óptimo - E acariciou os cabelos da bela jovem.

Jorge Simas aproximou-se e estendendo a mão para um cumprimento tardio mas compreensível, desviou-se para o lado assim que Genoveva entrou trazendo um café bem quentinho e aromático para todos. 

- Ora, ora meu jovem! Segundo vejo é um valente. .. E um cavalheiro!

O rapaz agradeceu o elogio com um bonito e espontâneo sorriso e por fim perguntou:

- Mas Jorge conte-me tudo desde que fui para o hospital, por favor.

Nesse momento Guiomar descia as escadas e Jorge quase se calou, mas ela já sabia alguns pormenores portanto... E ter o rapaz ali era de sua autoria. Fora ela que sabendo que ele interviera para livrar a filha do pior, logo o quis para o compensar devidamente por tudo. Além disso engraçava com o "miúdo". E mal ela lhe deu as boas vindas continuou.

- Ui isso é uma história muito comprida…

- Eu tenho tempo. E se é assim tão longa é melhor começar já… Se a senhora não se importar e a Célia...

Ambas acenaram concordando.

- Pois bem. Vamos lá desde o inicio. O pai de Gui foi nosso amigo e pediu-nos, antes de morrer, que tomássemos conta dele e sem que ele soubesse. Durante uns tempos fomos seguindo o patife. Mas ele era como uma enguia. Penso até que começou a perceber que o tínhamos na mira. Certo dia por culpa nossa perdemo-lo… Pensei que estava no estrangeiro. Assim constava. Só o voltei a ver no funeral do velho Ludovico. Foi aí que recrutei uma brigada para o seguir…De novo! Não gostei do aspecto!

- Mas e eu?

- Tu o quê meu mariola? – riu-se Jorge.

- Como entro nesse… filme.

- Tu foste contratado pelo Gui, certo?

- Certo?

- Vi-te aqui à porta naquele dia. Cigarro atrás de cigarro...Hum! Pensei. Sabíamos dos negócios de cobranças difíceis, das mulheres da noite, do tráfico de armas e de droga… portanto Gui não era um tipo fiável. E tu corroboraste a coisa. Após o funeral  do meu amigo passámos na organização a controlar todos os movimentos e conversas de Gui.

- E o que é feito dele?

- Creio que esse assunto terá de ficar para mais tarde.

Ricardo fez um trejeito de face contrariado e um esgar de dor.

- Aquele sacana violou Célia, drogou-a, chantageou-a, tentou matar-me… e vocês dão-lhe... Mais tempo para tramar outras?

Célia assustada com a reacção do namorado, tentava acalmá-lo:

- Calma amor, calma…

Por sua vez, o velho militar ria-se:

- Mas cheira-me que desse tempo tu não queres partilhar.

- Como assim?

- Sabes onde fica Yakutsk?

- Não… sei lá, na China?

- Na Sibéria!

- Na Sibéria?

- Porquê lá?

- É a cidade mais fria do mundo. Vinte graus negativos é a média de temperatura. Pode ser que seja suficiente para lhe arrefecer os ânimos. Metemo-lo num avião e só espero que me digam que está tudo certo. - E piscou o olho. Ricardo não percebeu mas continuou a inquirir.

- E quanto aos outros? O polícia, o chinês?

- O polícia faz parte da “nossa” gente. Está tudo sobre controle. Mas agora tenta descansar. Amanhã falaremos mais, Há uns pormenores que a Guiomar e as senhoras presentes compreenderão serem só referentes a cavalheiros. Podes esperar não podes?

- Que remédio.

- Muito bem. Até amanhã meu jovem. Adeus Guiomar. Célia... Genoveva.

Elas roderam-np mal Jorge saíu. Sorria. Pensava que entre mulheres Ricardo nem sentiria as dores. Ainda mais com Célia que destilava amor em cada olhar.

Ainda bem.

 

 Verniz Negro/José da Xã

Autoria e outros dados (tags, etc)

por José da Xã às 01:08



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogues Importantes